Mata Atlântica

As florestas ainda cobrem cerca de 35% do planeta, em sua maioria florestas boreais na Rússia, Canadá e Estados Unidos.

Já as florestas tropicais são as mais biodiversas e estudos do Greenpeace indicam que resta cerca de 9% da vegetação original. Elas abrigam grande diversidade genética, são habitat de inúmeros animais e sustentam cerca de 50% das espécies da Terra exercendo importante papel na regulação e manutenção dos recursos hídricos. A maior floresta tropical é a Amazônica que possui cerca de 80% da mata original preservada e abriga comunidades tradicionais, indígenas e não indígenas. Outra floresta importante na América do Sul é a Floresta Atlântica que possui menos de 8% de seus remanescentes preservados.

A Mata Atlântica está presente no litoral brasileiro, do Rio Grande do Sul ao Ceará e adentra pelo continente alcançando Minas Gerais e Mato Grosso do Sul chegando ao Paraguai e Argentina. É na área da Mata Atlântica que vive 60% da população brasileira e onde se localizam grandes cidades, como Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro e abriga nascentes de alguns dos grandes rios brasileiros. A Floresta Atlântica é composta por diversas formações florestais, como os mangues, a floresta de araucária, a floresta ombrófila, as restingas.

No Rio Grande do Sul resta menos de 3% da vegetação nativa e está protegida, em grande parte, pela reserva da Biosfera da Mata Atlântica reconhecida pela UNESCO. Apesar do pouco que resta a mata Atlântica gaúcha ela abriga grande biodiversidade e conta com a presença de animais do topo da cadeia alimentar como a onça, a onça parda e o lobo guará, espécies que precisam de grandes territórios naturais para sobreviver. Abriga as principais nascentes da bacia hidrográfica do Guaíba além de paisagens de grande valor cênico como os cânions dos aparados da serra, a Lagoa do Peixe, os campos de cima da serra, as falésias de Torres e muitos outros com potencial para geração de renda pelo turismo.

Os membros da diretoria do Inst. Augusto Carneiro tem papel histórico pela proteção das florestas e biomas. Nossa presidente, Kathia Vasconcellos Monteiro, trabalha pela proteção das florestas, especialmente a Mata Atlântica no RS e no Brasil desde 1991 tendo trabalhado pela criação da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica no Brasil e Rio Grande do Sul, a criação e implantação de unidades de conservação, a criação e aplicação de legislação específica como a Lei da Mata Atlântica, acompanha a implementação do novo Código Florestal, participou de inúmeros conselhos e comitês, bem como coletivos de ongs como a rede da Mata Atlântica da qual foi fundadora e Coordenadora Geral.

O Instituto trabalha pela implantação de ações ambientais, pela preservação das florestas em geral e a Mata Atlântica do Brasil e do RS em especial trabalhando arduamente pela sua proteção e de outros biomas brasileiros como o Pampa. A companha a implementação do novo código florestal e de outras leis conservacionistas bem como a implantação dos empreendimentos de infraestrutura como a construção de novas barragens.